quarta-feira, 30 de abril de 2008

Lester Bangs (1948 - 1982).

Leslie Conway Bangs é considerado pela crítica mundial, e também por muitos artistas, como o maior escritor rocker de todos os tempos.
Nasceu na Califórnia em 13 de dezembro. Começou a escrever para a Rolling Stone em 1969. Colaborou com a revista até 1973. Em seguida, publicou textos para o Village Voice, NME e Playboy. Foi trabalhando como editor na Creem em Detroit que conheceu o seu verdadeiro home sweet home, pois tinha total liberdade para escrever seus textos polêmicos, intrigantes, geniais. Não poupava ninguém. Acusou Patti Smith, a quem dera emprego de colaboradora na Creem, de se vender comercialmente com o lançamento de seu segundo disco, Radio Ethiopia. Nem Lou Reed, um dos seus principais ídolos, escapou. Detonou a fase andrógina de Lou com o disco Transformer. Lester não aceitava sua parceria com David Bowie
Lester foi, ao lado de Hunter S. Thompson, precursor do jornalismo gonzo -- estilo que tinha como comprometimento a vivência com substâncias psicotrópicas e sem revisão de texto para não quebrar a intensidade nem o ritmo do mesmo.
Houve várias homenagens a Lester, entre elas a biografia Let It Blurt escrita por Jim DeRogatis e o filme Quase Famosos de Cameron Crowe (este começou a carreira profissional escrevendo para a Rolling Stone aos 15 anos de idade. Tornou-se amigo de Lester ainda na época do jornalismo musical).
Curou-se do alcoolismo em 1982 para escrever "sério". Ironicamente, morreu semanas depois, acidentalmente, por overdose de medicamnetos. Hoje, 30 de abril de 2008, faz exatamente 26 anos de sua morte e o On The Rocks não poderia deixar de homenageá-lo.

terça-feira, 29 de abril de 2008

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Obra-Prima.


Coltrane/Hartman (1963). Este disco é um dos melhores que já ouvi em minha vida. Foi gravado em Nova Jersey pelo sax-tenor John Coltrane em companhia de Jonhnny Hartman (vocal), McCoy Tyner (piano), Jimmy Garrison (baixo) e Elvin Jones (bateria). O engenheiro de som das sessões de gravação dessa pérola foi Rudy Van Gelder, o cara que está por trás das melhores produções do incensado selo Blue Note.

São apenas oito músicas. Os primeiros acordes de They Say It's Wonderful é o suficiente, caro leitor, para você afundar no sofá e só conseguir sair quando o disco acabar. A voz barítono de Hartman, se encaixa perfeitamente bem com os fraseados românticos de Coltrane. Aqui não existe pressa prá nada. Também não precisa. Mulher nenhuma vai rejeitar seu convite e não se deixar levar pelo clima de conquista que permeia o disco. Adoro ouvi-lo bebendo vinho em companhia de uma mulher. Tenho preferência por mulheres com cabelos cor de jambo, mas pode ser preto, louro, azul... não tem importância. Raramente ouço uma vez só. O disco é curto, tem pouco mais de trinta minutos. Segue com Hartman cantando os belos versos de Dedicated To You enquanto Tyner dedilha delicadamente seu piano esperando o sax de Coltrane nos arremessar para o paraíso celestial. My One And Only Love é um momento único de lirismo. Em Lush Life é a vez de Elvin Jones dar seu show na bateria. You Are Too Beautiful, Hartman impressiona mais uma vez com sua habilidade de cantar versos sublimes e dolorosos: ' You are too beautiful for one man alone '. Esta obra-prima universal termina com Autumn Serenade.

Penso no que vou fazer agora. Resolvo apertar o repeat mais uma vez e voltar aos meus devaneios. Caro leitor, não deixe de ouvi-lo.

terça-feira, 22 de abril de 2008

On The Rocks Recomenda:


A volta em grande estilo do Dinosaur Jr com Beyond. Este disco foi lançado no ano passado com formação original. A volta de Lou Barlow no baixo pareceu ter dado inspiração para J. Mascis compor grandes canções como nos velhos tempos de: You're living all over me ( 1987 ), e o clássico Bug ( 1988 ).

J. Mascis tem aquele estilo de tocar guitarra à la Neil Young. Tipo: começa agora sabe Deus quando vai parar. O On The Rocks elegeu Beyond um dos cinco melhores discos de 2007. Vida longa a J. e companhia.

Ilha Dos Cisnes.

Ilha Dos Cisnes foi minha primeira e única peça encenada com o ator e pintor Nelson Magalhães Filho. A peça foi inspirada em Improviso em Ohio de Samuel Becket e encenada no Teatro do Porão da Casa da Cultura Galeno D'Avelírio em 1996 na cidade de Cruz das Almas- Ba. Direção: Graça de Sena. Iluminação: Luciano Fraga. Sonoplastia: Zé de Rocha.

City Sickness - Tindersticks

La Cancion Inesperada - 2008.

Wander Wildner, uma lenda do rock gaúcho, lançou La Cancion Inesperada, seu mais recente disco, aqui em Salvador, na companhia de sua guitarra e de Arthur de Faria, na gaita e acordeon, num show fraco e pouco inspirador. Talvez por está conversando com amigos sobre minhas aventuras e desventuras pela Europa, não tenha prestado muita atenção ao show. O disco foi produzido pelas mãos de Berna Ceppas e Kassin, um dos melhores produtores do momento.
A música Um Bom Motivo cita a mobilete vermelha, esse velho sonho de consumo teen. Me fez lembrar daquelas tardes de domingo sonhando com a pretty girl do colégio grudada na minha cintura. Tédio total nas tardes de uma cidade do interior. Mares de Cerveja fala de "mares de esquecimento onde navegam cegos", velhas bebedeiras onde no dia seguinte você não consegue lembrar como chegou em casa, muito menos o que fez e disse antes de dormir. Porta Retratos é uma das minhas favoritas: "Ela não tem mais as minhas fotos grudada nas paredes do seu quarto, eu vejo que nem porta retratos nunca mais". Massa a forma como Wander dar ênfase a "nunca mais". Os versos desse cara são como os poemas do velho Buk - cortantes e encharcados de bourbon. Tem também uma homenagem à Graforréia Xilarmônica com Amigo Punk . Bacana.
O recado para roqueirinhos radicais de plantão está em O Reverendo Rock Gaúcho. La Cancion Inesperada está à venda nas melhores casas do ramo.