segunda-feira, 25 de agosto de 2008

On The Rocks Recomenda.

"Como outras companhias seletas de mortais, os músicos de jazz têm sua própria demonologia. Talvez os espíritos mais malignos sejam os críticos, seguidos de perto por quase todos os empresários e a maioria dos funcionários de gravadoras. Mas um círculo especial nesse inferno é reservado aos donos de boate. Os críticos são imbatíveis em sua ignorância; os empresários são mentirosos incuráveis e os executivos das gravadoras nunca mostram números verdadeiros. Mas os donos de boate, assim reza a lenda, possuem todas essas características perniciosas e, de quebra, não possuem o menor interesse pela música".

Introdução assinado por Nat Hentoff.
Assim começa o livro Ao Vivo No Village Vanguard (Cosac Naify,2006), de Max Gordon, sobre o fascinante mundo do jazz e da folk music norte-americana.
Max chegou na terra prometida ainda na juventude em companhia de sua mãe e de seus irmãos, vindos da Lituânia, para encontrar seu pai que mudara-se em busca de uma vida melhor para sua família no pós-guerra.
Foi com muito esforço que Max, por incentivo de Anne, uma garçonete que ele conhecera em Nova York, e seu fiel amigo Harry Simon, que ele fundou nos anos trinta esta célebre boate que abrigou diversos nomes da cena musical no Greenwich Village, como Leadbelly, Judy Holliday, Sonny Rollins, Miles Davis, Charlie Mingus, entre outras feras.
Max relata com detalhes o começo e o apogeu do Village Vanguard. Das dificuldades e de como era prazeroso fazer parte daqueles momentos de rara beleza.
Poder sentar-se na mesa e beber várias garrafas de vinho em companhia de gente como Thelonious Monk, Dinah Washington, Woody Guthrie...
Testemunhar de perto o florescimento de um estilo musical fascinante até hoje.
Minha amiga Michelle Prado é pesquisadora musical e uma das mais apaixonadas pelo jazz. Aprendi muito com ela. Obrigado Michelle pelo empréstimo deste livro maravilhoso.
Postar um comentário