sábado, 21 de março de 2009

Ok Computador, Você Venceu.

Para Luisa Soler.


O Radiohead está no Brasil e este momento não poderia passar batido aqui no On The Rocks. Das principais bandas da atualidade, esta turma de Oxford, Inglaterra, começaram lá pelos idos do comecinho dos anos noventa quando se chamavam On a Friday devido ao dia da semana em que ensaiavam. Perceberam que esta era uma piada sem graça e logo mudaram para Radiohead em homenagem a música homônima do Talking Heads, banda esta que os caras são fãs.
Reza a lenda que após um show, Jerry Harrison, um dos integrantes do Talking Heads, entrou no camarim e logo foi reconhecido por Thom Yorke que não parou de fazer perguntas sobre Remain in Light, um dos álbuns prediletos de Thom.
Creep, seu primeiro single extraído do álbum Pablo Honey, não emplacou no Reino Unido, mas serviu de resposta para os americanos que viviam o boom do Nirvana.
The Bends emplacou na Inglaterra com alguns singles bem vendidos e executados muito bem pelas rádios locais. Fake Plastic Trees virou hit instantâneo.
Ok Computer, seu terceiro álbum, foi lançado em 1997 e veio para ficar na história. Presos dentro dos estúdios há longos meses foi que a banda fez valer sua existência como artistas na terra.
Thom Yorke e companhia mostraram ao mundo os recursos que um músico pode tirar de um computador e dizer: a música a partir de agora não será mais a mesma. O relacionamento do ouvinte com esta mudou de uma forma que ninguém poderá reverter esse quadro por mais que alguém tente.
Não foram poucos jovens músicos que passaram a gravar seus discos trancados em seu próprio quarto com um computer ligado e uma ideia na cabeça.
O relacionamento do comprador de música não será como fora antes. Esqueçam a música em quanto formato material. Já era!
Isso sem falar nos recursos que um músico pode obter com um computador no que diz respeito a criação artística.
Ok Computer faz valer, também, por suas belas canções. Agora mesmo estou ouvindo Karma Police... existe coisa melhor pra fazer num sábado durante o dia do que ouvir uma bela música e escever pelo puro prazer de escrever?
Namorar e beber umas cervas é um bom programa quando a mulherada colabora, fora isso o bom é ficar em casa mesmo escrevendo... mesmo que ninguém goste dos seus escritos.
Desconheço terapia melhor do que a arte de escrever.
Não no speed para ouvir Electioneering nem a sufocante Climbing Up the Walls... pulo para No Surprises... que música linda... e esse tecladinho acompanhando o canto melancólico de Thom, então...
Luisa, curta por mim o show dessa grande banda que veio para ficar na história! Depois você me conta detalhes.
Vou ficando por aqui na certeza de apertar o repeat e continuar com meus devaneios e me preparando para beber umas cervas mais tarde... antes de sair, ouvirei a belíssima True Love waits! Até a próxima.
Postar um comentário