terça-feira, 28 de abril de 2009

Os Cinco Maiores Cantores Cool Do Planeta.

On The Rocks elege hoje os cinco maiores cantores cool do planeta depois de uma pesquisa de longos meses. Sei que esta não é uma lista definitiva sobre o assunto - essa lista não existe. Esta é apenas a escolha de um aficionado por música que escreve pelo puro prazer de escrever. Gosto de todos que aqui estão. Sou fã de alguns deles.
Felizes são meus ouvidos que estão acostumados a ouvir estes cantores. Cada um com seu estilo particular e brilhante. Eis a lista:

5) João Gilberto - Este baiano nascido em Juazeiro, com seu estilo suave de cantar, que lhe é peculiar, conquistou ainda na juventude o título de pai da bossa nova e principal divulgador deste estilo único na história da música.
Com um ar intelectual, seu jeito de cantar e comportar-se no palco, Joãozinho ficou com o quinto lugar;


4) Bryan Ferry - Foi através deste cantor inglês, que esteve à frente do Roxy Music por longos anos, que ouvi falar pela primeira vez no estilo cool. Sua pose, canto e fama de galã deram a ele o quarto lugar;


3) Ian MacCulloch - O cantor do Echo and the Bunnymen, a maior banda surgida em Liverpool em todos os tempos, é considerado pelo On The Rocks como um dos maiores de sua época. Ian começou a cantar no final dos anos setenta e logo foi conquistando um séquito fiel de fãs em todo o mundo.

Caro leitor, este ser que vos escreve esquece de tudo quando ouve este cara cantar, principalmente assistindo seus dvd's ao vivo. , o cara dá show de voz! Seu jeito arrogante e brilhante ao mesmo tempo, deram o terceiro lugar para o meu cantor preferido no rock;


2) Leonard Cohen - A elegância em pessoa. O maior poeta canadense de todos os tempos canta como se estivesse recitando seus belos e melancólicos versos.

Poucos artistas me tocaram tanto quanto ele. Considero o álbum Songs of Leonard Cohen um dos mais belos da história. Passei longas horas pensando no primeiro lugar. Foi Difícil para mim colocá-lo em segundo. Não fosse este cantor e trompetista que está logo abaixo, Cohen seria o número 1;

1) Chet Baker - Penso que o termo cool surgiu com ele. Ainda nos anos quarenta ou cinquenta. Alguns críticos indicam o álbum Birth of the Cool como o nascimento deste estilo maravilhoso. Ok, mas Miles Davis não cantava. E qual cantor pode ser considerado como tal?
Muitos podem apontar Joe Mooney, Johnny Hartman, Bing Crosby ou Frank Sinatra. Para mim é Chet.
Sou fã incondicional. A primeira discotecagem que fiz na vida foi com um set especial de Chet. Quatro horas de som. Uma verdadeira overdose. Foi massa! Curti muito. Meus convidados também. Espero que tenham gostado da minha lista. Outras virão. Até a próxima.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

A Sacanagem De Dadau.

Dedico este post a Fernanda Habib.

(Capa de Life's Too Good do Sugarcubes).
O Sugarcubes acabara de lançar seu primeiro álbum, Life's Too Good (1988), após dois singles e muitos elogios. Estávamos ansiosos, eu e meu amigo Christiano Blumetti, para conhecer o som desses islandeses que tinha a cantora Bjork como principal atração.
Não havia previsão de lançamento aqui no Brasil, então tivemos que aguardar com muita paciência.
Foi numa tarde de chuva, após chegarmos da rua para ouvirmos uns sons - era de costume fazermos isto nas tardes de sábado -, às vezes em minha casa, às vezes na casa dele, que Dadau, seu irmão, contou que tinha gravado uma música dos Sugarcubes em um programa de rádio e estava ansioso para mostrar sua descoberta pra gente.
Ele colocou o K7 para tocar e logo estávamos encantados com o som dos islandeses.
Fizemos planos para comprar o álbum assim que fosse lançado no Brasil. O que não demorou para acontecer. Christiano acabou comprando primeiro.
Bem, só que aquele som que Dadau colocou pra gente ouvir, não era Sugarcubes, e sim, dos texanos do ZZ Top!
O esperto Dadau gravou uma música dos barbudos mais famosos do rock e mudou a rotação, deixando o som mais lento e arrastado. Ficou interessante sua estripulia e a gente jamais imaginou que fosse uma sacanagem.
Cheguei a gravar a música e passar a semana inteira ouvindo admirado a voz da suposta Bjork.
Na semana seguinte, Dadau contou a verdadeira história. Foi divertido sua brincadeira, mas que deu vontade de enforcar o cara, deu.
Quando ouvimos o verdadeiro Sugarcubes gostamos de cara e viramos admiradores de imediato da islandesa que tava fazendo a cabeça de muita gente planeta afora. Bons tempos que não voltam mais.
Hoje o On The Rocks está completando 1 ano de vida. Quero agradecer a todos pelo carinho, principalmente àqueles que batem ponto aqui com seus comentários que tanto me envaidece. Obrigado de coração. Até a próxima.

domingo, 19 de abril de 2009

Hoje É O Aniversário De Tássia Mariane.

Para ler ao som de Marianne Faithfull.


Em 19 de abril de 1993 um anjo foi enviado à terra. Encantando a todos com muita alegria e beleza, este anjo está completando hoje dezesseis anos com muita vibração e carisma, o que lhe é peculiar.
Mariane demorou um pouco para nascer. Parecia está atenta para chegar ao mundo na hora certa. Foi exatamente às 10:55 de uma segunda-feira repleta de bons fluídos. Mamãe Vivian passou o fim de semana sentindo muita dor. Fomos várias vezes à maternidade em companhia dos amigos Luís Dunnigham e Maria Helena, hoje minha comadre.
Esta menina é um amor de pessoa. Sapeca, bela e rebelde, são algumas de suas características.
Não tem como você não se encantar com ela. Não posso cobrar muito das suas rebeldias, pois o paipai aqui, não fica atrás.
Tenho sentido muito sua falta. Ando com saudades de seu lindo sorriso, de seu mau humor, sua preguicinha...
As coisas tiveram que caminhar assim. Vivemos há muitos quilômetros de distância e o coração anda muito apertado. Suavizou um pouco hoje com sua presença.
Mariane está comigo agora. Ela veio passar este dia especial em companhia de seres importantes em sua vida. Sou um deles.
Tassinha, seja feliz sempre!
Estamos felizes com sua presença. As ruas por onde você caminha estão melhores agora. Aliás, todo o bairro, toda a cidade torna-se mais agradável para se viver. Até a próxima.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Vladimir Maiakóvski, O Poeta Operário (07/07/1894 - 14/04/1930).


Brilhar Pra Sempre
Brilhar Como Um Farol
Brilhar Com Brilho Eterno
Gente É Pra Brilhar
Que Tudo O Mais Vá Pro Inferno
Este É O Meu Slogan
E O Do Sol.
------------------------------
O Poeta é o eterno devedor do universo
e paga em dor porcentagens de pena.
------------------------------
Prefiro morrer de vodka do que de tédio.
------------------------------
Sou poeta. É justamente por isso que sou interessante. E sobre isto
escrevo. Sobre o restante: apenas se foi defendido com a palavra.
------------------------------
Adeus, amigo, sem mãos nem palavras.
Não faças um sobrolho pensativo.
Se morrer, nesta vida, não é novo,
Tampouco há novidade em estar vivo.

terça-feira, 7 de abril de 2009

On The Rocks Recomenda.


Terminei de ler o romance O Último Leitor do escritor mexicano David Toscana. Considerado por seus leitores como um dos melhores e originais escritores da atual literatura mundial, Toscana encanta por seu estilo peculiar de entreter o leitor em prol de uma leitura suave e sedutora.
Icamole é uma cidade pequena situada no interior do México. Seu clima é árido. Não chove lá há muitos anos. Não são poucos os moradores que sonham e oram pra que chova em seu pedacinho de terra, pois a água aqui é escassa e a alimentação falta constantemente em suas mesas.
Lucio é um desses moradores e ávido leitor. Vive inconformado por tomar conta de uma biblioteca que não tem leitores. Seus vizinhos não leem nada, pois a leitura não sacia sua fome, nem mata sua sede.
Lucio tem o hábito de amaldiçoar os livros ruins jogando-os para as baratas e traças, pois estes não merecem nem sequer ser queimado para não prejudicar o sistema em que vive.
Melquisedec é o senhor responsável em levar água para a população em sua carroça. O governo paga a este pobre ser para matar a sede de todos os moradores da região.
Remigio é privilegiado por ter um poço no quintal de sua casa, o único por estas plagas, onde tem água constante e seu abacateiro é uma fonte de alimentação que nunca o deixa na mão.
Certa noite, Remigio encontra o corpo de uma menina dentro do seu poço. Acidente ou assassinato?
Começa aí um doce mistério que vai envolvendo e seduzindo o leitor por entre histórias de ficção contadas por Lucio e uma triste coincidência com a realidade de Icamole e sua famigerada população.
Quero agradecer ao meu amigo Tinho Safira pelo grande presente de Natal que só agora pude ler. Até a próxima.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Nunca Uma Viagem Fez Tão Bem Ao Rock.

(Capa de Déjà Vu, 1970).
Começou em 1966 uma viagem que mudaria e ampliaria definitivamente o rock produzido nos Estados Unidos. O cantor, guitarrista e compositor canadense Neil Young em busca de novos rumos em sua vida, convidou o amigo e baixista Bruce Palmer para uma viagem pelas estradas da América em seu Pontiac, ex-funerário que havia comprado em Toronto meses antes da partida.

Young andava insatisfeito com o resultado que sua vida artística havia dado. Tocando no circuito de bares folk canadense, época em que conhecera a The Band - banda que acompanharia Bob Dylan na estrada por longos anos - Joni Mitchell e os futuros parceiros Stephen Stills e Richei Furay, este pilar do rock norte-americano sentia-se esgotado com as pequenas possibilidades de expandir seu talento em sua terra natal.
Sua primeira parada foi em São Francisco. Nesta época, Timothy Leary, o papa do LSD, expandia os horizontes dos jovens distribuindo ácido num ônibus em companhia de Ken Kesey, das bandas Gratefull Dead, Jefferson Airplane e do escritor beatnick Neal Cassady, o motorista do ônibus que levava a turma por uma experiência única em suas vidas.
Young não se adaptou bem em São Francisco e decidiu descer um pouco mais ao sul, indo parar na então adormecida Los Angeles.
Diz a lenda, que Young e Palmer estavam presos num engarrafamento já em Los Angeles, e de repente, encontraram Stills e Furay parados dentro de um carro mais à margem da pista.
Desse encontro surgiu o Buffalo Springfield. As sementes começaram a ser plantadas em solo norte-americano.
Boa parte do repertório era escrito por Young. "I am a child" e "Mr. soul" são dessa época, mas mesmo assim ele ficou em segundo plano por uma questão de guerra de egos com Stills.
Sua voz frágil e o som de sua guitarra distorcida pareciam não agradar muito os ouvidos de seus parceiros.
Não demorou muito, Young saiu e formou a power band de folk music Crosby, Stills, Nash e Young.
Primeiro lançamento: o clássico Déjà Vu (1970). Álbum altamente recomendável por este ser que vos escreve.
São belas as canções ouvidas aqui. Há um revezamento nos vocais onde todos cantam e compõem. O destaque mais uma vez, são as composições e a guitarra de Young.
Temos ainda a participação de Joni Mitchell na maravilhosa "Woodstock".
"Helpless", clássica por excelência, é uma das mais tocantes do álbum, ao lado de "Our house", com Nash nos vocais.
Chamo atenção para o vocal pujante de David Crosby, talvez o melhor cantor do grupo, na instingante "Almost cut my air" e na doce "Déjà Vu".
Um ano antes, Young havia gravado seu primeiro e homônimo álbum que não foi bem recebido pela crítica especializada.
Quatro mese depois, viria à tona o essencial Everybody Knows This Is Nowhere (1969), deixando sua marca cortante de compor e mostrar ao mundo seu instrumental rascante e primoroso.
As bases foram estabelecidas e o rock norte-americano nunca mais foi o mesmo. Outros clássicos foram lançados ao longo dos anos em companhia dos excelentes e fiéis Crazy Horses, ou acompanhado, apenas, por seu violão e piano.
E, às vezes, pelos Stray Gators em alguns momentos de sua longa e frutífera carreira.
Passaram-se muitos anos e a chama deste outsider continua ardendo os corações de seus admiradores e de várias gerações. Sou um desses, graças a Deus.
O prazer em ouvir o som deste velhinho é dos mais sensacionais e marcantes em minha vida. Obrigado Neil young por você existir. O rock não seria o mesmo sem você.
Ouça aqui algumas faixas do bardo canadense que está lançando novo álbum, Fork In The Road, no próximo dia 7 de Abril: http://www.myspace.com/neilyoung.
Dedico este post para quatro Young maníacos. São eles: Tinho Safira, Sérgio Cebola, Miguel Cordeiro e Osvaldo Brahminha.
Visitem a La Verga: http://www.lavergadelbuenas.blogspot.com/. Até a próxima.