segunda-feira, 18 de maio de 2009

18 de Maio, Quanto Tens Por Dizer... (3° Parte).

Para ler ao som de Decades by Joy Division.


Hoje é o meu aniversário. Publico aqui uma pequena parte da minha autobiografia que estou preparando para ser publicado em meu primeiro livro - 18 de Maio, Quanto Tens Por Dizer... - que será lançado em 17 de maio de 2012. Mantenha-se vivo.

Sou magro,
mas não sou canalha
Meu caralho é grande
assim como minhas mãos
e meu coração
Bebo o máximo
que meu organismo
pode suportar
Nasci em 1972
ano de glória
de Ziggy Stardust
Parti a testa
aos dois anos de idade
caindo da escada na casa
de meus avós
Ano em que perdi
meu pai
em um acidente
fatal na Br-101
O enterro foi no dia do meu aniversário
A cicatriz me faz
lembrar
desse episódio
até hoje
Tive uma sensação estranha
quando dei meu primeiro
soco no rosto do meu colega
Guaraci
Época em que me apaixonei por Ana Cláudia e Fernanda
Passei por momentos de profunda tristeza
quando vovó Matildes
faleceu
e fomos morar - eu e meu irmão -
em Guapira
longe de nossa mãe
Quando anoitecia era terrível
a luz do candeeiro
me fazia chorar
Ainda na infância
vi minha mãe
transando
com meu padrasto
Fiquei horrorizado!
Pensei em suicídio
aos catorze anos de idade
quando morava em Cruz das Almas,
cidade das sombras
Angústias profundas
quase me ergueram daqui
Não gosto do sol
nem de receber visita surpresa
Considero Bob Dylan, The Beatles e Rolling Stones
os artistas mais influentes da história da música pop mundial
Já parti alguns corações
e muitas mulheres
partiram o meu
O curso de minha vida
poderia ser diferente
não fosse a beat generation - meus herois!
Eu já vendi
iogurte no subúrbio
para alimentar
minha filha
Já trabalhei em uma
repartição pública
e fingi ser
responsável
O que mais me incomodava
no teatro
era o assédio
por parte dos gays
Já cruzei céus e mares
em busca dos meus sonhos
Eles parecem não acabar nunca!
Vivo melhor à noite
e mudo quando é lua cheia
Adoro quando uma mulher
depila a buceta
deixando
o meio cabeludinho
Odeio 'Parabéns pra Você'
e raramente
comemoro
meu aniversário
Sou eternamente
grato
a Orlando
por ele ter me emprestado
Psychocandy
E a Nelsinho
por ter me apresentado
a John Fante e Henry Miller
Filosofia de bar
é comigo
mesmo: "Quem não bebe,
não vê o mundo rodar"
Não gosto de perfume
nem de falar
ao telefone
Nunca tive um fusca
Não vejo graça
em tirar
foto
sorrindo
As tardes de domingo
são tediosas,
por isso bebo
a tarde toda.
Postar um comentário