segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Deus só protege os bêbados e as crianças.

(Eu e minha amiga Cassinha no bar Balcão, Salvador - 2008. Adoro esta foto).
Aqui estou mais uma vez desempregado. Quando montei este blog no ano passado, estava completamente fragilizado naquele momento. Havia tomado uma rasteira do destino e necessitava escrever e compartilhar minhas ideias com outras pessoas. A maior quantidade de pessoas possíveis.
On The Rocks veio ao mundo com o intuito de manter-me vivo e bem, muito bem.
Não me sinto um derrotado com a perda do meu emprego e nem estou fragilizado como no ano passado. Desespero, nem pensar. Se alguém perdeu alguma coisa, esse alguém foi a empresa e não eu. Fodam-se.
Fico pensando em novos rumos... Eu que nunca fiquei parado em canto algum. Vivo sempre procurando, buscando um jeito, uma forma, uma válvula de escape bem bacana pra viver nesse mundo cão.
Mundo este em que eu não pedi pra nascer.
...
Blog é uma coisa viciante. Após o resultado que me agradou bastante com o On The Rocks, resolvi montar a La Verga Del Buenas mostrando a minha veia marginal para escrever poemas eróticos.
Bem, agora estou montando um blog onde vou postar fotografias, pinturas, desenhos e charges, ou seja, será um blog visual. Poderia ser um fotolog, eu sei, mas não curto. Prefiro blog mesmo.
Minha dúvida cruel é quanto ao nome. Eis os prováveis nomes:
1. Fuck you;
2. Tarcísio que não é Meira;
3. Buenas Generation;
4. Deus só protege os bêbados e as crianças; este é o meu preferido
...
Estava lembrando de um momento mágico em minha vida, daqueles que você jamais esquece.
Aqui em Salvador existia antigamente uma loja de discos chamada D. Ratão que ficava localizada na Av. Carlos Gomes, centro da cidade. Roberto era o nome do dono e todo mundo o conhecia como D. Ratão.
Eu costumava aparecer lá nos fins de tarde quando saía do colégio Ypiranga para ficar ouvindo música e bater uns papos com ele e alguns clientes legais que costumavam frequentar sua ótima loja.
Neste dia, eu estava sozinho do lado de fora, pois ele estava conversando com um cliente em particular e eu não queria atrapalhar a conversa - a loja era pequena e se ficasse três pessoas do lado de dentro ficava apertado demais.
Bem, estava no meu cantinho quando de repente ouvi aquela voz fanha acompanhando uma batida no violão que eu nunca tinha escutado. Fiquei arrepiado naquele momento. A Voz e a batida em perfeita sincronia com a orquestração me fez sair da órbita e ficar divagando por uns instantes... Perguntei quem era e ele disse: João Gilberto.
Era o disco João Gilberto - o terceiro de sua carreira. Nem pensei duas vezes. Fui em casa e pedi uma grana a minha mãe, mas ela não tinha. Então, tomei um adiantamento no dia seguinte na Yakult, a primeira empresa em que eu trabalhei, e comprei o disco junto com o primeiro Chega de Saudade. Dias depois, foi a vez do maravilhoso O amor, o sorriso e a flor.
Me orgulho de ter os primeiros três discos do João em vinil. Verdadeiras raridades.
Minha filha Tassinha adorava dormir ao embalo do som do Joãozinho macoinha - o apelido de João Gilberto na época em que começou a tocar violão embaixo de um umbuzeiro em sua cidade natal, Juazeiro, Bahia.
Fico por aqui na certeza de voltar já com meu blog visual funcionando. Até a próxima.
Postar um comentário