quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Obra-Prima.

Songs of Leonard Cohen - Era a época do flower power quando o escritor, poeta e cantor canadense deu seu ar das graças no mundo da música com este álbum gravado em 1968 em companhia de violões, piano e uma sublime orquestra acompanhando seu canto tímido e suas poesias conflitantes.
Cohen começou sua carreira artística por volta de 1955 com o lançamento de seu primeiro livro de poesia Let us compare mythologies.
Muito respeitado pela crítica literária de seu país, ele jamais entraria para o mundo da música se dependesse deles. Sua fama de grande escritor veio em 1966 quando do lançamento de Beautiful Losers - romance que colocaria jornalistas de várias partes do país em seu encalço.
Cohen poderia ter se tornado um dos principais escritores de sua geração não fosse pela inclusão da música Suzanne no álbum In my life da cantora Judy Collins, mudando assim, os rumos de sua carreira artística.
A foto 3x4 que está estampada na capa do álbum fora tirada pelo próprio Cohen através de uma câmera automática, mostrando seu perfil tímido e tenso.
Com uma totalidade de dez canções carregada de espiritualismo conflituoso, tédio e paixões dilacerantes, Songs of Leonard Cohen foi um marco em plena época do paz e amor e da liberdade sexual.
A canção So long, Marianne está entre as cinco mais belas de todos os tempos na opinião deste ser que vos escreve.
Acompanhado por violões, violino, e por um sedutor backing vocal - uma marca em suas músicas -, So long, Marianne vai te caminhando por um terreno propício a devaneios e rios de lágrimas.
Se eu fosse para uma ilha deserta e tivesse que levar apenas cinco discos, este seria um deles, ao lado de Psychocandy, é claro.
Aos setenta e cinco anos de idade, Cohen continua influenciando um séquito de artistas espalhados em toda parte do mundo. I'm your fan, tributo lançado nos anos noventa, é apenas um deles. Estão lá: Nick Cave, Ian McCulloch, Lloyd Cole, Pixies, REM, House of Love, ou seja, todos queridos desta casa.
Hey, that's no way to say goodbye é a canção que escolhi para traduzir aqui pra vocês. A tradução, livre, foi feita por meu amigo Nelsinho Magalhães.
Ei, isso não é jeito de dizer adeus (Leonard Cohen).
Te amei pela manhã
Nossos beijos profundos e quentes
Teu cabelo sobre o travesseiro
Feito uma tempestade dourada adormecida
Muitos amaram antes de nós
Eu sei que não somos novidade
Na cidade e na floresta
Já sorriram como eu e tu
Mas agora são distâncias
E nós dois precisamos experimentar
Teus olhos estão úmidos de tristeza
Ei, isso não é jeito de dizer adeus
Não estou procurando outro
Ao vaguear no meu ritmo
Me leve até a esquina
Nossos passos sempre irão
Sabes que meu amor vai contigo
Assim como o teu fica comigo
É só o modo como ele se move
Feito a vinha das marés e o mar
Mas não vamos falar de amor ou correntes
E coisas que não podemos desatar
Teus olhos estão úmidos de tristeza
Ei, isso não é jeito de dizer adeus.
No post abaixo, uma dica para este fim de semana. Visite Deus só protege os bêbados e as crianças: http://www.deusprotege.blogspot.com/. Até a próxima.
Postar um comentário