quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Carta de uma filha apaixonada para sua mamãe.


Mamãe,


Como vão vocês? Estou com saudade da senhora e do papai. Ele está melhor da tuberculose? Poxa, me preocupo muito com a saúde dele. Tenho tido pesadelos terríveis e orado bastante; a senhora já melhorou do reumatismo? Espero que sim. Vocês são especiais em minha vida e temo um dia perdê-los.
Vou visitá-los em breve. Estou com uma vontade danada de tomar banho nua na cachoeira - como fazia na minha infância nas manhãs de domingo quando íamos visitar meus tios.
Finalmente conseguimos o empréstimo no banco para a reforma do salão. A Sandrinha, minha sócia, tem um amigo que gerencia há muitos anos um banco aqui perto de casa, então ele facilitou o empréstimo.
Tenho uma ótima notícia para contar-lhes: Reginaldo me pediu em casamento ontem à noite.
Ai mamãe, estou tão feliz!
Reginaldo é o homem que toda mulher gostaria de ter. Ele é inteligente, trabalhador, esforçado e tem uma graninha; prometeu cuidar de mim com muito amor e carinho.
Ontem mesmo, fizemos planos para nossa casinha que sua avó, Dona Véinha, deixou pra ele de presente de casamento.
Uma das coisas que mais gosto e admiro no Reginaldo é a sua lucidez, ao contrário do Buenas - aquele blogueiro louco e bêbado -, lembra dele?
Dia desses eu me esbarrei com ele na rua, mas não dei a menor ousadia. Ele tava com uma mulher nos maiores love e fingi não vê-lo.
Não sei onde eu tava com a cabeça quando me envolvi com aquele homem. Eu dormia na casa dele e era obrigada a ouvir aquela banda insuportável toda noite; uma tal de Jesus e Mary não sei o quê lá. Horrível. Tem um som de guitarra que ninguém merece.
Nesse momento eu tô ouvindo Vitor e Léo que o Reginaldo me deu de presente. Eu vivo ganhando presentes dele; são perfumes, jóias, cd de Lairton e seus teclados, Silvano Salles, dvd de ótimos pagodes...
Sons que estão longe de parecer com os que aquele maluco costuma ouvir. Eu não conseguia mais ir pra casa dele e ficar ouvindo uns troços lá... Tem uma miséria de Tom Waits que parece está bêbado o tempo todo e ele ainda fica lá admirando aquela coisa. Como se não bastasse, ele me deu de presente um disco desse cara! Não passei da segunda faixa.
Uma vez ele saiu com Tinho, aquele amigo dele farrista, e voltou todo mijado!
O elevador ficou todo molhado. Fiquei com vergonha dos porteiros e da síndica do prédio porquê eles me chamaram atenção pelo vexame como se eu tivesse culpa.
O filho da puta no outro dia ainda me pediu pra lavar a calça jeans dele, e eu, abestalhada, lavei.
Não vejo a hora do Reginaldo me conquistar de vez, pois sempre me pego pensando no Buenas... Pior que eu ainda gosto dele e sinto muito a sua falta.
Ele é carinhoso, generoso, tão amável... Ai, fico toda molhadinha quando lembro dele. Nenhum homem me amou tanto... E aquela barbicha... Aquelas mãos...
Lembro da senhora contando como conheceu meu pai e me recordo como conheci o tal Buenas. Foi num show da Jardim da Saudade - uma banda daqui de Salvador que não me agrada muito e só fui porquê sabia que iria encontrá-lo.
A banda é de uns amigos dele. Como ele, só pensam em música, literatura, futebol, farras e mulheres.
O show tava começando quando ele me ofereceu uma vodka. Aceitei e ficamos conversando. De repente, chegou Xanxa - um amigo dele e baixista da banda -, e perguntou se ele tinha escrito algum poema novo pro La Verga. Daí fiquei sabendo dos seus blogs e me interessei pelo assunto. Ele me deu os endereços e guardei-os na bolsa.
Resumindo: Ficamos naquela noite e quando cheguei em casa fui logo ler os blogs. Gostei dos dois, principalmente da La Verga. São poemas eróticos e eu disse a todas minhas amigas que fiquei encantada com aqueles escritos.
Me interessei ainda mais por ele. Namoramos e fui cada vez mais me envolvendo com aquele magrelinho.
Mamãe, tenho uma coisa pra te contar, por favor, não fale pro papai: eu fiz um aborto.
Continua.
---------------

Disco da Semana.


Sune Rose Wagner - Untitled (2009). Este é o primeiro disco solo de Sune Rose Wagner, a outra metade dos Raveonettes (queridinhos aqui do On The Rocks).
Neste registro fonográfico, Sune deixou de lado as distorções que são peculiares no som de sua banda, em que divide a responsabilidade com a maravilhosa Sharin Foo, para investir em melodias suaves e tocantes.
Com tons sombrios e singelos, este ilustre compositor vai aos poucos deixando sua marca ao lado de grandes compositores da atual década, como é o caso de Jason Lytle ( Grandaddy) e Jeff Tweddy (Wilco).
Svinske Maend é uma das mais belas do ano.
Este disco vai entrar com certeza na lista de melhores do ano deste blog. Aguarde.
Conheça a La Verga, meu blog de poemas eróticos: www.lavergadelbuenas.blogspot.com. Até a próxima.
Postar um comentário