sábado, 31 de julho de 2010

Disco da Semana.


Lester Young with The Oscar Peterson Trio (1952) - Cool. Sensual. Envolvente. Sensível. Excêntrico. Elegante. Essas são algumas das características que se confundem entre artista e sua obra de arte, aqui, no caso, Mr. Lester Young em companhia do mago do piano Oscar Peterson e sua ilustre banda que o acompanharam nesta gravação realizada em Nova York.
Lester Young foi um dos maiores sax tenor da história do Jazz e, em companhia de Billie Holliday, proporcionou muitos momentos mágicos nas gravações dos discos da Lady Day - apelido dado pelo próprio Lester.
Em troca, Billie o batizou de The President, passando em seguida a ser apenas, Pres.
Não foram poucos os discos gravados entre eles. Billie destilando seu canto encharcado de melancolia com o sax de Lester esbanjando excelência e primor são um dos marcos deste estilo musical negro por excelência.
Neste álbum gravado em 1952, a magia jazzística acontece no encontro entre estes dois gigantes: Peterson e seu lirismo encantador transcendendo beleza rara ao lado do carisma de Lester, nascido no Mississipi em 1909.
Complicações com o álcool tornou seu tempo de vida menor no planeta vindo a falecer em 1959.
Acredito que este seja uma ótima dica para acompanhar a leitura de Kerouac (ver post abaixo).
Publicarei amanhã um poema que escrevi recentemente. Até lá.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Jack Kerouac, o Santo Beat.

"Minha vida que não me ama, minha amada que não vai me amar: seduzo as duas".

"Eu me arrastava atrás como sempre tenho feito toda minha vida atrás de pessoas que me interessam, porque as únicas pessoas que me interessam são os loucos, os que estão loucos para viver, loucos para falar, que querem tudo ao mesmo tempo, aqueles que nunca bocejam ou falam chavões... mas queimam, queimam, queimam como fogos de artifício pela noite".

"Os pisos das estações rodoviárias são exatamente iguais no país inteiro, sempre cobertos de baganas e catarro e de uma melancolia que só mesmo as rodoviárias têm".
---------------
Amanhã, tem o Disco da Semana, e no domingo, um poema novo. Até lá.

sábado, 24 de julho de 2010

Galeria.


A seção Galeria homenageia desta vez o artista plástico mineiro Rafael Godoy. O cara integra o Grupo Armatrux (teatro de bonecos) de Belo Horizonte e trabalha com as tintas desde a infância. É de seu atelier, num sítio em Rio Acima, que ele cria seus trabalhos de que tanto gosto.
Rafael é filho da minha amiga Adriana Godoy, e foi em seu blog, o Voz (http://www.driaguida.blogspot.com/) onde descobri seus trabalhos. Gostei muito e resolvi postar aqui para vocês.
Mamãe Adriana costuma colocar seus trabalhos para ilustrar suas poesias no Voz - altamente recomendável. Bato ponto sempre por lá. Adoro as poesias da mineira que aos poucos foi dando as caras e hoje considero umas das minhas queridas amigas. Nos falamos sempre e o desejo para um brinde com outros amigos, entre eles, D. Luchiano Fraga, tem aumentado cada vez mais - quem sabe no próximo verão, hein?
Esses trabalhos são estudos que ele fez há uns anos atrás e que são "roubados" por sua mãe e postados no blog sem ele mesmo saber.
Relax man, suas pinturas são legais e aproveito para dar um "pitaco": Por que você não cria um blog ou fotolog para divulgar sua arte? Pense nisso.


Disco da Semana.



Transformer (1972) do Lou Reed foi o escolhido da semana. O bom e velho Lulu - seu apelido desde a época do Velvet Underground -, estará em terras brasileiras nos próximos dias para lançar Atravessar o Fogo - livro que contém 310 letras de músicas traduzidas por Caetano Galindo e Christian Schwartz.

Li sobre o livro na Bravo! deste mês. Gostei muito do texto escrito pelo Arthur Dapieve e da tradução de Walk on the Wild Side.

Atravessar o Fogo estará à venda nas principais livrarias do país a partir da próxima semana, e este ser que vos escreve simplesmente vai pegar aquela grana guardada que seria da dentista, para comprá-lo - o dente que se vire!

Transformer poderia ter entrado na Obra-Prima, mas como prefiro Berlin (1973) e New York (1989), indico por aqui mesmo. Aliás, Lulu é especialista em ótimos e clássicos álbuns. Ouça também Sally Can't Dance (1974), Blue Mask (1982), Legendary Hearts (1983), Songs for Drella (1990) e o fúnebre Magic and Loss (1992) e se deixe levar pelas matadoras Magician e Harry's Circumcision.

Fico por aqui. O dente vai ficar para a próxima, pois já na segunda-feira estarei atrás de Atravessar o Fogo - paciência Drª Monalisa, nos veremos em breve. Até a próxima.

domingo, 18 de julho de 2010

Jason Lytle é meu amigo.

I Heart California é o mais novo trabalho de Jason Lytle e Aaron Burtch, seu parceiro de Grandaddy - uma das principais bandas americana surgida nos últimos anos. Principais por presentear o mundo com suas canções carregadas de sentimento e emoção. Poucos compositores, hoje em dia, consegue extrair versos sublimes como o meu amigo da pacata Modesto.
Jason, após o término do Grandaddy, não acomodou-se. Sorte minha e de seus fãs espalhados por todo planeta. No ano passado, ele lançou Yours Trully, the Commuter, um compêndio de canções dilacerante para o coração de seres românticos como eu.
Houve uma participação antes no já clássico Dark Night of the Soul - projeto de Mark Linkous, Danger Mouse e Mr. David Lynch -, com duas belíssimas canções: Jaykub e Everytime i'm with you.
Agora, ele presenteia-nos com o álbum I Heart California de sua nova banda/projeto Admiral Radley, que além de contar com a participação de Aaron Burtch, tem mais dois integrantes do Earlimater, banda americana das mais legais.
O single I heart California já está disponível para audição no site da banda (www.admiralradley.com) e o videoclipe, no Youtube.
Outro destaque saído das terras dos Globetrotters é o All Smiles, nova banda de Jason Fairchild, outro integrante do Grandaddy que aventurou-se em lançar suas próprias canções.
Grandaddy é massa e o que não falta é músico talentoso. Ouça All for the Getting and not Letting Go (2009), seu primeiro lançamento, e constate (www.allsmilesmusic.com).
Não paro de ouvi-los. Hoje acordei com meu discman ao lado do travesseiro pedindo para que eu colocasse um desses discos. É dessa forma que costumo levantar no domingão quando estou só. Música sempre; da hora em que acordo até a hora em que vou dormir é assim.
Obrigado Jason por você e sua trupe existirem. E que bom que vocês fazem parte da minha vida. Até a próxima.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Disco da Semana.

The Cigarettes – Happiness, Glory and Calmness (2010). Após cinco anos de jejum, o Cigarettes está de volta. Desta vez, com um EP incluindo quatro faixas, que, conforme a Midsummer Madness - gravadora carioca responsável por boa parte dos lançamentos da banda - estará incluída no terceiro lançamento dos caras.
O EP serve como aperitivo, enquanto Gustavo Seabra (Pelvs) termina a produção e masterização de algumas músicas que poderão está no tão aguardado álbum.
O Cigarettes foi formado em Itaperuna, interior do Rio de Janeiro, por Marcelo Colares em 1994.
Ao longo desses anos, foram lançados vários cassettes e cdrs, além de dois discos: Bingo (1997) e All is Well (2005).
Esta banda, tão querida por mim, pertence ao brilhante triângulo indie rock que inclui ainda, Pelvs e a brincando de deus.
Gosto do vocal emocionante e carregado de melancolia de Colares, e das guitarras ácidas e doces ao mesmo tempo. Me encanta. Sou fã desde que ouvi Bingo pela primeira vez através de um cliente da São Rock Discos – não lembro o nome dele.
Ele era um daqueles clientes que sempre dava as caras comprando e encomendando pepitas desse calibre.
Happiness, Glory and Calmness lavou minha alma esta semana. Adorei saber de seu lançamento.
Para ouvir e/ou comprar os discos do Cigarettes, é só clicar aqui: http://www.mmrecords.com.br/.

sábado, 10 de julho de 2010

A Música Ainda me Surpreende e o Disco da Semana.

Dia desses, minha amiga Michelle Prado, pessoa que tem um ótimo gosto musical, indicou-me Sol no Escuro (2007) do Fabio Góes. Disse-lhe que depois ouviria, pois estava sem paciência naquele momento.

Passaram-se uns dias e ela perguntou-me se eu tinha gostado. Falei que não tinha escutado ainda. Imaginei que fosse perda de tempo. Nunca ouvi falar nesse tal Fabio Góes, então deixei pra lá. Ando com preguiça de ouvir novidades. Tenho escutado muito os discos que conheço há bastante tempo. Estes não falham. Satisfazem-me como uma boa garrafa de vinho tinto.

Passaram-se uns dias, meu amigo Tony Lopes, colecionador de discos do pop/rock brasileiro, disse-me que Guido André, outro colecionador de discos, havia indicado Sol no Escuro para ele ouvir. Disse também que Guido falou com entusiasmo de sua mais nova descoberta. Então pensei: "Michelle, Tony e Guido, indicando o mesmo disco, este deve ser no mínimo, bom".

Pois é, aqui estou escutando-o pela quinta vez - só hoje!

Sol no Escuro é um bom disco. Começa com uma bateria abafada. Percebo semelhanças com o trip hop. Talvez, pela densidade das canções. Das letras inspiradas - o romantismo permeia e dá o tom. Baladas, preguiçosas.
Para quem não sabe, o paulistano Fabio foi o responsável pela trilha sonora dos filmes Abril Despedaçado e Cidade de Deus, então, provavelmente, você conhece a música dele.
Esse texto foi publicado, recentemente, na 2° edição do jornal A Voz da Pedra de Lajedão-BA.

Disco da Semana.

The School - Loveless Unbeliever (2010). Esta é a mais nova sensação da Rough Trade. The School surgiu no País de Gales e está lançando agora seu primeiro álbum após o burburinho causado pela imprensa britânica quando souberam de sua existência.
I don't believe in love é uma das canções que mais ouço no momento. Tipo de canção para se apaixonar. Eu estava sentindo falta desse tipo de som. Fofo por natureza, faz lembrar os escoceses do Belle & Sebastian - banda ao qual, tenho muito carinho.
Me apaixonei pela capa, primeiro. Depois, pela voz do cantor e da menina - que coisa linda.
Quer saber de uma, na boa? Eu raramente erro quando bato o olho na capa de um disco e penso: "Esse promete".
Fiquei fã do Jesus and Mary Chain e do Sonic Youth antes mesmo de ouvi-los. Psychocandy e Sister bateram forte, e o visual da banda ajudou bastante, também.
---------------
Que ano, hein? Até o presente momento, faleceram Dennis Hopper, Jose Saramago, Glauco, Alex Chilton, Mark Linkous, Wilson Melo, Ezequiel Neves e Roberto Piva, entre outros.
Bem, espero não ir no bolo dessa vez, pois tenho dois filhos para criar, um livro para lançar, várias farras para fazer com meus amigos e muito ainda para conquistar.
Ouça The School, sozinho ou acompanhado, vai te fazer bem. Tem feito a mim. É isso.
Clique aqui: www.myspace.com/theschoolband. Até a próxima.

Roberto Piva (1937-2010).


Por detrás de cada pedra
Por detrás de cada homem
Por detrás de cada sombra
O vento traz-me o teu rosto.

Lenine - Paciência.

domingo, 4 de julho de 2010

Happy when it rains?

Não tenho vivido um happy when it rains nos últimos dias. Sou seduzido pela chuva e pelo tempo nublado. Sinto-me bem assim, mas ontem foi estranho. Um dia triste. Manhã sufocante. Ligo para uma pessoa e penso que ela vai me confortar, vai me fazer bem e o máximo que ouço é um "boa sorte". Sei que mereço, mas quero algo mais do que isso.
Mais tarde, a janelinha do msn não atende, está "ocupada".
Fico parado olhando para a tela do computer e nada acontece, assim como em minha vida.
Em dias complicados como este agora, desejo mais do que nunca que minha musa não muito distante daqui apareça para um "oi", um café no balcão do Líder - quem sabe.
Tenho vontade de voltar a beber. Parei e nada aconteceu. Voltarei e nada vai acontecer. Simples assim. Será?
Desejo um vinho agora para acalorar a alma e distrair o frio.
Pouco que resta de mim está indo para o espaço. Lembro da vida mundana. Há um elo entre mim e ela. Um imã.
Não estou salvo ainda. Uma vez Roger Branco disse-me dentro do ônibus voltando para casa depois de uma tarde regada a muitas cervas na São Rock Discos: "Man, a vida mundana é sedutora, mas tem seus percalços". Grande Roger.
Ficar longe por muito tempo e apostar no duvidoso é um saco. Paciência e o Buenas são coisas que não andam juntas.
Senti falta do meu amigo Xanxa no show de lançamento do álbum solo de Messias na última quarta-feira. E por falar em Messias, quero aproveitar e agradecer a Deus por sua existência, e mais ainda, por ele viver aqui em Salvador - cidade onde travo uma ligação de amor e ódio, sempre.
Ouço seu sublime Escrever-me, Envelhecer-me, Esquecer-me toda hora. Todos os dias.
Um lançamento raro aqui na terrinha do axé e do batuque. Adoro Who should be, Daily goodbye, Orbiting you e No hay banda - as canções que mais ouço. Se você realmente me conhece, sabe do que estou falando.

---------------

Recebi este selinho da minha amiga blogueira, Daniela Machado (www.aventurasdedothyemingau.blogspot.com), uma brincadeira entre blogueiros que consiste em postar nove coisas sobre você e indicar mais nove blogs. Sou arredio para selinhos, já recusei vários, mas resolvi aceitar dessa vez e curti a brincadeira.
1. Adoro mulheres;
2. Tenho os melhores amigos do mundo;
3. Considero Bob Dylan, Beatles e Rolling Stones o trio mais influente da história da música pop mundial;
4. Não gosto de receber visita surpresa. Gosto de ser avisado antes;
5. Adoro quando uma mulher raspa a buceta dos lados deixando o meio cabeludinho;
6. Não gosto do sol;
7. Adoro a noite, por isso durmo tarde, muito tarde;
8. Sofro quando não posso comprar um disco que estou muito afim;
9. Bebo despretensiosamente e amo o Jesus and Mary Chain - a maior banda de rock do planeta.

Eis os blogs indicados:

8. Café, Cigarros & Desordem (http://www.cafecigarrosedesordem.blogspot.com/);


Disco da Semana.

Massive Attack - Heligoland, foi lançado no primeiro trimestre deste ano. Após muitos anos afastado dos estúdios, estes caras, especialista em criar belas canções, talvez as melhores para transar, voltaram com a bola toda. Bom para os meus ouvidos e de seus fãs e admiradores espalhados por todo planeta.


Larissa Riquelme, a modelo paraguaia, foi a melhor coisa que eu vi nesta Copa do Mundo na África do Sul. Ainda ouviremos falar muito sobre ela. Até a próxima.


(Larissa, a beldade em pessoa).