domingo, 29 de agosto de 2010

Sons Que Tocam no Meu Discman.

Ontem, eu passei uma tarde regada a cervas e som - mais uma vez! Estava na casa do meu amigo Christiano Blumetti gravando uns discos de sua coleção e fazendo downloads.
Como nos velhos tempos, conversamos sobre música o tempo todo. Sofia, sua filha de dois anos de idade, nos interrompia a todo instante com suas brincadeiras, o que fazia o ambiente ficar mais agradável.
Antigamente, as gravações eram feitas de LP para K7, e eram momentos maravilhosos em que passávamos as tardes de sábado e domingo descontraídos ao som da boa música - eram os marcantes anos oitenta.
A descoberta de muitas bandas, juntos, aproximaram cada vez mais nossa amizade. E olha que não foram poucas: U2, The Cure, The Smiths, Echo and The Bunnymen, The Cult, The Mission, Jesus and Mary Chain, New Order, Sugarcubes, Joy Division, Felt, A Certain Ratio, Primitives, Sonic Youth, Simple Minds e muitas bandas brasileiras eram apenas, algumas delas.
E ontem a sensação que tive foi a mesma de outrora. Os anos passaram-se, é verdade, mas o prazer de compartilhar juntos esses momentos continua, e às vezes, sinto-me como uma criança brincando com meus amiguinhos da escola.
Dos discos que gravamos, um dos que mais gostei foi o Reimagines Gershwin do Brian Wilson.
Neste já clássico lançamento, Mr. Wilson presenteia-nos com uma coleção de canções de um dos maiores compositores popular de todos os tempos, o norte-americano George Gershwin.
Gostei muito da interpretação de Summertime e S'wonderfull, só para citar algumas delas.
A orquestração está impecável e Mr. Wilson está cantando bem melhor do que em seus trabalhos anteriores.
Classe A. Nota 9.
Curti muito o Sea of Cowards, segundo lançamento do Dead Weather, projeto/banda do talentoso Jack White - o artista mais importante na música da década passada.
Muito bom. Nota 8.
Beat the Devil's Tatoo, o mais recente do Black Rebel Motorcycle Club, banda surgida no começo da última década nos Estados Unidos, pegando carona na explosão que foram a dos Strokes e White Stripes, é talvez, sua melhor obra.
Fim de semana salvo, fui para casa com meus discos embaixo do braço com um sorriso escancarado na cara. Até o compromisso que fora desmarcado em cima da hora não me fez abater e aqui estou curtindo essas pepitas em forma de arte.
Ah, não posso esquecer-me de mencionar outras gravações: Prefab Sprout - Steve McQueen, clássico de meados dos anos oitenta. Quer detalhes do álbum? Então leia o post que meu caro Sérgio Cebola escreveu tão bem em seu blog (www.oculosdecebola.blogspot.com). Vai lá, o cara entende do assunto, eu garanto.
Rod Stewart - Every Picture Tells a Story (1971); Damned - Machine Gun Etiquette (1979); X - Wild Gift (1981); Phil Spector - A Christmas Gift for You (1963); Alice Cooper - School's Out (1972); Replacements - Let it Be (1984); Sugar - Copper Blue (1992), entre outros, salvaram meu fim de semana.
Aqui estou me preparando para entornar uns copos com Cássio, meu irmão, e colocar os papos em dia. Até a próxima.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Disco da Semana.


Beth Gibbons & Rustin Man - Out of Season (2002). A magia em forma de música. O enlace sublime entre dois seres e seus talentos. Suas canções são irretocáveis. Rustin Man, produtor e músico. Beth Gibbons, uma das cantoras mais cool do planeta. Antes desta obra, ela mostrou ao mundo seu canto à frente do grupo nova-iorquino Postishead - minha banda de trip hop preferida.
Para quem não sabe, trip hop é um estilo de música eletrônica densa e arrastada. Massive Attack, Morcheeba - do primeiro disco -, e Tricky são outros representantes.
Adoro Beth, e este álbum é a personificação de um talento raro na música pop mundial.
Com o Portishead, ela simplesmente mexeu com minhas emoções desde seu surgimento em meados da década de noventa.
Densidade sonora é a principal característica do som dos reis do trip hop - em minha modesta opinião.
Considero o álbum Roseland Live in NYC (1998), seu principal lançamento. Comprove. Para hoje, indico este primeiro lançamento fora de sua banda.
Agora, vou terminar de ler Demian do Hermann Hesse, e depois, beber umas cervas ao som deste Out of Season que indico com o maior carinho aos meus queridos leitores.
Assim será o começo do meu fim de semana. Até a próxima.

Cartaz da Feira do Livro de Madrid.

domingo, 15 de agosto de 2010

Uma Tarde Regada a Cervas e Som.

(Foto: Nancy Magalhães).
Ontem, eu participei da audição do disco do meu amigo Tony Lopes, ou melhor, o Reverendo T. Foi em sua casa e quase todos os artistas que participaram da gravação estavam presentes. Senti a falta do meu amigo Ronei, um dos cantores/compositores que mais se aproximaram da proposta do Reverendo para esta já clássica obra.
Foi em abril deste ano que Tony me falou sobre seu mais novo rebento. Sua intenção era fazer algo próximo do que os Tindersticks e Nick Cave fazem há longos anos de ótimos serviços prestados à música.
Não vou escrever agora sobre o disco. Ainda falta a voz do meu caro Miguel Cordeiro, então colocarei aqui as minhas impressões. Desde já, garanto tratar-se de uma obra que veio para ficar; um registro sonoro raro aqui na terrinha do axé. On The Rocks garante.
No momento da audição, fui presenteado pelo Reverendo - meu aniversário foi em maio e não tínhamos nos encontrado ainda -, com uma garrafa de vodka que tem uma foto de Bukowski como marca do produto - adorei o presente.
Sim, voltei a beber, e estou me sentindo muito bem.
O Disco da Semana desta vez é o Them Crooked Vultures do mestre John Paul Jones em companhia dos meninos Dave Grohl e Josh Homme - bateria e guitarra/voz, respectivamente.
A capa do álbum me inspirou a escrever este poema que postei logo abaixo. É isso. Até a próxima.

Urubus Esfoladores.


Urubus esfolam a presa mais fértil do meu quintal
Contorcem as mais repugnantes das cobaias da goiabeira
Odores abafam as velhas cretinas do puteiro de Dolores

As secreções escorrem para alvoroço dos compadres cegos famintos
& desesperados

A carne crua esfolada não sangra mais como os testículos apodrecidos pela falta de pulsação

Nos ares, percebo a presença dos pombos - os ratos do céu
(me afasto disfarçadamente)

Eles não percebem, mas meus olhos sangram a mais perigosa das substâncias: o ódio.

domingo, 8 de agosto de 2010

Me Diz.

Ando debilitado, sabe babe
Meu estômago parece não me pertencer mais
Nauseado
Meu organismo não me atende
Sinto dores terríveis
Meu humor piora cada vez mais

Por que tanta repulsa?
Por que você se afastou de mim?
Me diz

Sinto calafrios
Coloco um disco para tocar, preciso de algo urgente
De uma droga que me impulsione
Que me transporte desse plano ao qual não pedir para estar

Tudo dói, tudo me incomoda

Gimme danger é meu antídoto
Posso suportá-lo

Esses seres me mantêm vivos

Me diz, babe: Por que tanta repulsa?
Por que você se afastou de mim?
Me diz

Agulhas penetram minhas inibidas veias
Não há saída

Calafrios, Medo, Ambulatório - Solidão

Doutores roçam suas vergas nas enfermeiras
Descaradamente em minha frente
Do outro lado
Uma menina sofre de dor e maus tratos
"Vem morrer em casa, aqui não há solução pra você"

Besúmine, besúmine - não estou mais em mim
Meu Deus!

Hey Iggy, Rock is over!

Me diz babe, qual é a cor do teu conforto?
Qual a textura da tua solidão?
Qual a dimensão da tua indiferença?
Por que tanta repulsa?
Me diz.
---------------
Hoje, eu ganhei o livro Atravessar o Fogo, 310 Letras de Lou Reed - presente dos meus filhos Lico e Tássia. Muito obrigado meus queridos. Este presente, junto a informação que o Dinosaur Jr vem tocar aqui em Salvador no final de setembro, me faz um bem danado. Sinto-me melhor. São coisas simples desse tipo que me fazem sentir assim.
Estava conversando com minha amiga Luisa Soler sobre o meu momento e apresentei em primeira mão esse poema que acabei de postar. Ela disse que parece uma letra de música, então dei mais uma lida e constatei que ela tem razão: trata-se realmente de uma letra de música - a primeira que escrevo.
Aproveito para indicar o blog Simples, Escrevo da minha amiga de que tanto gosto: http://www.pensandoescuro.blogspot.com/ - Vai lá, a menina escreve bem, eu garanto.
Excepcionalmente hoje, não teremos o Disco da Semana. Posto o novo videoclipe da banda Theatro de Séraphin, uma das mais legais do momento.
Quero desejar um feliz dia aos pais! Tudo de bom. Até a próxima.
Theatro de Séraphin - Doze por Oito.

domingo, 1 de agosto de 2010

Quando o Tempo Demora de Passar...

Quando o tempo demora de passar, minhas pálpebras ardem como tochas de fogo
Arenas a céu aberto em minha frente prenunciam uma noite lenta
Cambaleante, vou até minha coleção de discos
Escolho um que se encaixe perfeitamente bem com o momento
Bruce Springsteen em suas primeiras gravações melancólicas carregadas de solidão e falta de esperança
Nina Simone com seu romantismo confortante
Ao som de Don't you pay them no mind
teclo estes versos preguiçosos que se arrastam junto com minha desesperança e crença no nada
Meu corpo reclama o tempo todo
Faz frio agora nesta tarde densa
Sinto-me outro
Doente
aceito conselhos que de nada valem
Fogos de artifício me assustam
Babacas reunidos em grupo torcem em vão
O vozeirão do The Boss atravessa meus sentidos acertando-me em cheio
Meu corpo dói
Meus dedos não me obedecem
Sozinho mais uma vez
Sozinho mais uma vez
Deito-me no sofá
Besouros impregnam o tapete
Meus olhos ardem
Enjoo
Meus dedos travam sob o teclado
Nada a temer
As fumaças pairam tranquilamente
sob meu corpo inerte no sofá da sala em frente à TV
Tudo parado
Tudo parado.