terça-feira, 24 de maio de 2011

Carta para Bob Dylan.

 

Como tem passado os dias, meu caro Dylan?
Escrevo esta carta para te parabenizar pelos seus setenta anos de idade; cinquenta desses, prestando bons serviços à arte.
Suas canções foram determinantes para desencadear os rumos férteis dos anos sessenta e você sabe muito bem disso, pois não foram poucos os artistas influenciados por você.
Estava ouvindo nesse instante You've got to hide your love away do quarteto de Liverpool e vejo claramente sua influência no modo como eles passaram a elaborar suas canções depois que te conheceram.
Jagger e Richards já declararam sofrer influências no modo de compor suas canções; Rod Stewart, David Bowie, Eric Clapton, Neil Young, os caras dos Byrds, Bruce Springsteen, Jimi Hendrix e tantos outros.
Hoje de manhã, quando acordei, estava tocando Eu também vou reclamar, do Raul seixas, no rádio, e me lembrando como é vasto a riqueza e influência de sua obra. O mundo inteiro te ouve e te reverencia, Dylan. Tem um trecho da música que diz assim: "Eu já passei por Elvis Presley, imitei Mr. Bob Dylan, eu já cansei de ver o sol se pôr...".
É, meu velho, suas canções bateram forte aqui também. Caetano Veloso fez, nos anos setenta, uma versão de It's all over now, baby blue para Gal Costa cantar divinamente bem; Renato Russo uma vez declarou que seu sonho, quando estava gravando o disco Dois da Legião Urbana, era unir letras em que contava histórias à la Bob Dylan com o romantismo da banda inglesa The Smiths. In my opinion, ele conseguiu.
Zé Ramalho, Belchior, Sá, Rodrix e Guarabira, Marcelo Nova e tantos outros, te agradecem muito por tudo.
Escrevo de uma Lan House aqui em Paranaguá, cidade do interior do Paraná onde minha mãe mora há onze anos.
Comecei esta viagem no final de abril devido a uma necessidade que desejava realizar há alguns anos.
Já passei pelo Rio de Janeiro, Niterói, São Paulo e Curitiba. Retorno na primeira semana de junho à Sampa e regresso para Salvador em julho.
Soube, e tomara que seja boato de algum jornalista desavisado, que você não vai gravar mais discos. Rapaz, não faça isso. São poucos os álbuns hoje em dia que valem a pena comprar e curti em casa.
Espero que seja boato e que você nos presentei com um álbum à altura do Modern Times.
Você pretende comemorar esta data com um concerto entre amigos?
Chama Neil que ele vai querer participar. Clapton, Springsteen e Stewart, também. Ah, não se esqueça de chamar a senhora Smith.
Nelsinho, aquele meu amigo louco que mora em Cruz das Almas, cidade das sombras, tem um K7 gravado de um show em Nova York da Patti em que ela canta vários covers. A gente ouve quando vou à Cruz no atêlier dele.
Fico por aqui. O tempo está acabando.
Parafraseando Nitszche, aqui vai uma do Buenas: aproveite seus momentos de dor e felicidade com se fossem uma coisa só, pois só assim, alcançará a felicidade eterna.
Agradeça a Deus pela vida, Dylan.
Um grande abraço,
Tarcísio Buenas.
P.S: Visite a La Verga, meu blog de poemas eróticos: http://www.lavergadelbuenas.blogspot.com/.
Postar um comentário