sábado, 9 de julho de 2011

A Vida em Preto e Branco.

(Foto by Juan Rulfo).
Seu sorriso cínico não me engana. Eu nunca me engano. Frio de rachar este que sopra agora. Frio como meus sentimentos que sopram seus cabelos manchados. Seu bumbum sujinho de lama desvia meu olhar em direção ao nada. Sigo - daquele jeito. Você sabe como. Nunca me disse, mas eu nunca me engano.
* * *
São escritos como este que me fazem analisar a importância dos meus posts aqui no On The Rocks. De nada valem, eu sei. Eles não me dizem muita coisa... imagino que a você, também. Ando em crise com o teclado branco do meu Notebook. Tentei algo no teclado preto do Notebook de Kiko - meu amigo que me hospedou em seu apartamento na Vila Madalena -, mas não saíu nada.
Adoro a Vila. Adoro São Paulo - minha cidade number one do país.
A seleção brasileira joga neste momento. Não quero assistir o jogo. Não quero fazer nada agora.
A ressaca está sob controle. O mal humor, não. Estive na Galeria ontem à noite para pegar meu livro DJ, Canções pra tocar no inferno, do Mário Bortolotto - que perdi da última vez que estive aqui -, mas a Lu esqueceu o livro em casa, então marcamos para a próxima quarta-feira - quando acontecerá o show do Wander Wildner - em companhia de Serginho Serra (Ultraje a Rigor), e mais dois músicos. Programão!
A ressaca assolou aqui. Meu amigo está assistindo ao jogo da seleção com cara de ontem. Tomamos sonrisal, mas as coisas ainda estão estranhas. Sem graça. É verdade que minha vida é preto em branco, mas agora tá demais.
Estreiou ontem à tarde, o filme Daquele instante em diante, documentário sobre o Itamar Assumpção. Estive lá no Cinema Unibanco, mas só há uma sessão por dia e esta já tinha começado. Nesta primeira semana, a apresentação será sempre às 16h. Entrada franca.
Assistirei na segunda-feira. Bom motivo para começar bem a semana.
Perdi o show do Television, banda nova-iorquina que tem à frente o cantor, músico e poeta, Tom Verlaine. Sou fã do cara. Tenho um enorme carinho pelo Marquee Moon - disco de estreia da banda.
O show foi na quinta-feira - dia em que cheguei da casa de minha mãe. Estava cansado. O que eu mais queria naquele momento era uma cama. Também acho difícil que eu achasse ingresso à venda. Meus amigos Ricardo Spencer e Persie, foram, e sentiram minha falta. Expliquei a eles o motivo da minha ausência. Acho que eles entenderam.
O disco Demolished thoughts do Thurstoon Moore (Sonic Youth) é a pedida da semana para o disc player.
Fico por aqui. A ressaca ameaça uma tarde de sábado sem cervas - isto é muito chato. Não vejo graça em nada. Não sinto prazer em nada, e raramente me engano.
Visite a La Verga, meu blog de poemas eróticos: http://www.lavergadelbuenas.blogspot.com/.  
Postar um comentário