sábado, 24 de setembro de 2011

À Procura de um Lugar ao Sol.


Os dias não têm sido fáceis aqui em São Paulo, cidade que escolhi para viver. Eu já esperava por isso. Tenho escrito pouco, quase nada, e isto me incomoda bastante. Escrever é uma necessidade para mim.
O círculo anda se estreitando. Vejo um funil em minha frente a me amedrontar. Mas eu não estou só. Tenho a família Miguel, especialmente Mônica (Mona), Cristiano Rebouças (Kiko) e Mário Bortolotto - bebemos um dia desses na Mercearia e ele me deu umas dicas de emprego. Kiko me apoia o tempo todo; assim como Mona, que mostrou-se estar comigo para o que der e vier - um amor de pessoa que Deus colocou em meu caminho.
Ontem, quando procurávamos um imóvel para eu morar, ela me disse que os gays aqui em São Paulo chamam as mulheres de Mona.
(Sorrimos).
Então, eu disse que Henry Miller, um dos meus escritores preferido, tinha uma Mona - quando eu comecei a ler o Miller, em 1993, desejei a partir daquele momento que um dia eu teria uma Mona -, mas ela já sabia dessa história. Essas coisas não preocupam a gente, e por isso mesmo, vou continuar a chamá-la assim, porque é assim que eu gosto.
Não achamos nada que me interessasse. Bebemos uma cerva no final da tarde enquanto decidíamos o roteiro de hoje. Saíremos daqui a pouco, pois a batalha continua.
Para não perder o costume, quero indicar o livro de contos A balada do café triste, da escritora norte-americana Carson McCullers, já comentada aqui.
Conhecida como a John Fante de saias, Carson é, ao lado da escritora Flannery O'Connor, precursora do gênero gótico na literatura americana.
Sete são os contos que aparecem na Balada - repleto de personagens solitários, descrentes da vida, amargurados e infelizes.
Eu poderia citar vários aqui. Tristeza e solidão habitam as almas desses seres descritos com delicadeza e sentimento.
Vejo traços semelhantes com os contos do Dylan Thomas e as peças do Tennessee Williams. Personagens angustiantes que conheço muito bem.
Fico por aqui na esperança de dias melhores. Eles estão vindo por aí, assim espero.

Até a próxima.

P.S.: Excepcionalmente hoje, não teremos As Dez Mais da Semana.
Postar um comentário