domingo, 16 de outubro de 2011

O Meu Disco do Momento.

Blood Pressures, o mais novo álbum do The Kills, lançado em abril deste ano, é o que mais tenho escutado nos últimos dias. Dias intranquilos aqui na selva de pedra, e esta tensa e bela obra artística da dupla Alisson "VV" Mosshart e Jamie "Hotel" Hince serve de travesseiro bem macio onde eu posso relaxar um pouco as tensões e curtir as maravilhas contidas nela.
Adoro Baby says, ontem eu a ouvi umas dez vezes. Ouvindo mais uma vez aqui no headphone do meu notebook, Baby says gruda no meu ouvido como chiclete na sola do sapato - por mais que você queira que ele saia, não consegue de imediato.
Future starts slow, a faixa de abertura, foi a escolhida para abrir minhas próximas discotecagens.
A primeira, em terras paulistanas, acontecerá no primeiro domingo de novembro no Sotero - bar e restaurante dos meus amigos Rafael e Ricardo Spencer. As pick ups serão divididas com os DJs Spencer (Ricardo) e Pitty.
Future stars slow servirá de aperitivo para o DJ Buenas incendiar o ambiente com seu set matador. Ah, mas isso você já sabe.
Chove muito agora. Desde ontem que chove muito aqui na selva de pedra. Adoro quando o tempo fecha. Adoro esse vento frio entrando pela fresta da minha janela.
Recebemos um novo hóspede na véspera do feriado passado. Este, chama-se Johhny, um cãozinho levado que o Gilson ganhou do seu chefe. Jonnhy é bacana. Divertido. Todo mundo gostou dele, até Mona, que morre de medo de cachorro, adorou o nosso mais novo amiguinho.

Mona vem me visitar toda semana e a presença dela faz a diferença. Hoje, quando acordei, agradeci a Deus pela existência do Facebook, porque foi através dele que eu a conheci. De um simples comentário em seu post sobre o The Cult, banda ao qual somos fãs, começou nossos primeiros contatos e hoje temos uma relação viva e intensa.
Ontem, declaramos nosso namoro no Facebook, e foi ótimo. Muita gente curtiu; muita gente comentou. Obrigado a todos que apostam na gente.

Eu gosto quando ele entra no meu quarto com o rabinho balançando querendo carinho. Dou e sempre bincamos um pouco, mas não gosto quando tenta subir em minha cama. Intimidade demais com animais não é comigo. Johnny é fofo - não sei a raça dele. Gilson me disse, mas como nunca tinha ouvido falar, não gravei.
Ele é baixinho e cabeludo. Você mal consegue enxergar os olhos dele e o pêlo toca o chão quando está muito grande. Ah, esqueci a raça do Johnny.
Cheguei a uma conclusão nestes dias: eu não tenho vocação para ser jornalista.
A minha intenção com este post era informar a vocês os detalhes do álbum Blood Pressures, o meu favorito do momento. Mas como você pode notar, escrevi mais uma vez sobre minha vida!
Ego demais?
Talvez seja. Sou ator - essa é minha formação - e como todo ator que se preze...
Ah, não quero falar sobre este assunto.
Queria falar sobre o The Kills, mas o ego não deixa.
Ouça The Kills. Aperte o repeat em Baby says e seja feliz, ao menos, por uns instantes. Eu estou feliz. E você?

Até a próxima.

P.S.: Ontem, eu esqueci de postar as dez mais da semana. Sorry.

***

Quinze anos hoje sem Renato Russo. Eu sinto a falta dele. Ouvirei Dois, o disco que mais gosto da Legião Urbana, agora.
Postar um comentário