sábado, 30 de junho de 2012

Primeiro semestre: uma retrospectiva.


O ano começou muito bem para este ser que vos escreve. Recebi com os braços abertos o lançamento do belo e altamente poético Old ideas do escritor e cantor canadense Leonard Cohen. Em seguida, veio A brincadeira favorita, seu primeiro romance publicado em 1967, sendo finalmente lançado agora no Brasil. Não li ainda, pois estou com uns livros aqui na fila. A alma encantadora das ruas do João do Rio e A visita cruel do tempo da Jennifer Egan, são apenas  dois dos muitos que ficam aqui na cabeceira da minha cama esperando uma oportunidade.


Uma vez li no blog do Márião Bortolotto, que se ele bebesse menos, iria mais aos cinemas, leria mais livros e ouviria mais músicas. É por aí.

(Isto sem falar no tempo que gasto no trabalho, o que me ocupa oito horas diariamente).

Outras maravilhas foram lançadas e eu simplesmente estou adorando.

O bardo inglês Richard Hawley voltou com o dinâmico  Standing at the sky's edge, exalando o bom e velho romantismo que lhe é peculiar. Gostei do peso nas guitarras e da investida em outros segmentos. Ouça e comprove.


O Sonic Youth deu um tempo, mas o futuro da banda é incerto;  ouvi um boato no começo desta semana que a banda está em estúdio gravando um novo álbum com produção dos irmãos Reid, mas não creio nisso, pois o Lee Ranaldo, um dos guitarristas, está promovendo o ótimo Between the times and the tides - uma grata surpresa, ouço direto - e o Thurston Moore está com uma banda/projeto, novo, chamado Chelsea Light Moving inspirado na obra do escritor beat William Burroughs. Por sinal, Burroughs é o nome do primeiro single do álbum.


O cenário brasileiro está bem representado. Luís Capucho voltou a dar o ar das graças com Cinema Íris (gravado em 2010) e Mamãe me adora, seu terceiro livro. 

Para adquiri-los, é só entrar em contato com ele através do blog Azul - ver link ao lado. Os meus já estão a caminho.

O Reverendo T. & os Discípulos Descrentes voltaram com o EP Muito prazer, que por enquanto está sendo promovido no mundo virtual. Baixe-o aqui:http://www.mediafire.com/?51pndxdyd4238p0. 


O meu preferido entre os brasileiros é The Cigarettes, o terceiro da banda carioca que atende pelo nome Marcelo Colares - o cara está por trás da minha guitar band favorita neste país. O video de Love concept alpha foi postado na minha página do Facebook, assim como vários que tenho citado aqui ultimamente.

A música Eu não mereço seu amor do Renato Godá já é uma das melhores do ano, mas o disco só será lançado no segundo semestre. O da Saco de Ratos e o rebento da Fábrica de Animais, também.

Outra boa pedida são os discos do Single Parents e do Glauberovsky  Orchestra - escrevo sobre eles depois.

Eu queria fazer uma seleção com os melhores, mas não consegui.

Mark Lanegan lançou Blues Funeral após oito anos sem material novo; Neil Young e seus comparsas arrebentam no discaço Americana; Boys and girls do Alabama Shakes,  a revelação do ano - o carisma da Britanny Howard é de impressionar; Jack White e seu grande disco de estreia solo é um dos queridos da casa; The Raveonettes melhoraram ainda mais as coisas com o doce Into the night e o Walkmen está bem com Heaven.

Soube, ontem, do Endless flowers, o mais novo do Crocodiles, banda que tenho maior carinho e apreço. Ouço a faixa de abertura no volume máximo com aquele sorriso escancarado bebendo uma gostosa Duff.

Para quem gosta de guitar bands, Crocodiles é uma ótima pedida. Sou fã.

Ah, meu caro leitor, mas o melhor ficou para o final. Banga, a volta da minha musa inspiradora Patti Smith após longos anos sem gravar material inédito, tem mexido muito comigo. De saco cheio de ouvir pela internet, saí hoje à procura do disco e encontrei na Velvet, loja bacana que fica aqui na 24 de maio - a três quadras do apartamento em que resido no momento.

Patti não precisa lançar mais nada. Sua rica obra musical e literária já comprova toda ousadia e talento de uma artista que veio para ficar na história e no coração desses românticos que ficam por aí vagando pelo mundo, sujeitos como eu.

Até a próxima.

P.S.: Bateu saudade quando ouvi Ya Know? do Joey Ramone. Esse não poderia passar batido.


quinta-feira, 21 de junho de 2012

Trecho da crônica A Rua que está no livro A Alma Encantadora das Ruas de João do Rio.


"A rua nasce, como o homem, do soluço, do espasmo. Há suor humano na argamassa do seu calçamento. Cada casa que se ergue é feita do esforço exaustivo de muitos seres, e haveis de ter visto pedreiros e canteiros, ao erguer as pedras para as frontarias, cantarem cobertos de suor, uma melopeia tão triste que pelo ar parece um arquejante soluço. A rua sente nos nervos essa miséria da criação, e por isso é a mais igualitária, a mais socialista, a mais niveladora das obras humanas. A rua criou todas as blagues e todos os lugares-comuns. Foi ela que fez a majestade dos rifões, dos brocardos, dos anexins, e foi também ela que batizou o imortal Calino. Sem o consentimento da rua não passam os sábios, e os charlatães, que a lisonjeiam e lhe resumem a banalidade, são da primeira ocasião desfeitos e soprados como bolas de sabão. A rua é a eterna imagem da ingenuidade. Comete crimes, desvaria à noite, treme com a febre dos delírios, para ela como para as crianças a aurora é sempre formosa, para ela não há o despertar triste, e quando o sol desponta e ela abre os olhos esquecida das próprias ações, é - no encanto da vida renovada, no chilrear do passaredo, no embalo nostálgico dos pregões - tão modesta, tão lavada, tão risonha, que parece papaguear com o céu e com os anjos...".

domingo, 17 de junho de 2012


Me mandaram para a Puta que pariu recentemente. Não fui porque não sabia onde fica.
Essa não é a primeira vez que me mandam - pra falar a verdade, já perdi a conta.
O negócio é que eu nunca me preocupei em procurar o tal lugar, mas dessa vez fiquei curioso. 
"De repente, pode ser um lugar bacana para passar as férias", foi o que pensei.
Então, fui até ao Google Maps e procurei pelo lugar que tanto insistem em me mandar.

Gente, a Puta que pariu fica na rua Jutaí Magalhães, 39-87. 
Centro, Maracanaú, CE. 
Anota o CEP: 61.900-130.

Até a próxima.

P.S.: Assista abaixo ao novo video do Renato Godá.

Renato Godá - Eu não mereço seu amor.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Dando milho aos pombos (uma crônica do cotidiano).


Todos os dias, eu passo pela República a caminho do meu trabalho, por volta do meio-dia, e sempre vejo um velhinho sentado no banco da praça dando milho aos pombos.

Hoje, quando passei, ele estava em pé dando milho numa posição que me fez lembrar uma bailarina, pois apenas os dedos do pé direito tocavam no chão com uma leve dobra no joelho -- a perna esquerda servindo de apoio. Então, pensei: "Ih, o velhinho é bicha!".

De repente, alguém o chamou, e ele, mancando, foi ao encontro.

"Horrível, Buenas, que coisa horrível...", foi o que pensei, cabisbaixo, em direção à estação de metrô.

Até a próxima.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

A Volta do Reverendo T. & Os Discípulos Descrentes e o In-Edit~Brasil.


Quem está de volta ao mercado fonográfico com Single, é o veterano baiano Reverendo T. após dois anos de lançamento do Pequenos Milagres de um Santo Barroco de Barro, um dos melhores produzido no Brasil nos últimos anos. 

Single contém Muito prazer, música composta por Heyder Carvalho e Tony Lopes -- o Reverendo T.

Muito prazer se aproxima mais das versões ao vivo que o Reverendo tem apresentado nos palcos, em companhia da banda de punk rock Pastel de Miolos, em apresentações pelos bares da capital baiana, do que as que foram lançadas no Pequenos Milagres, o primeiro rebento.

Bem legal. Agora, vejo mais coerência na proposta do artista quando de suas apresentações ao vivo pelos bares da cidade.

Para ouvir Muito prazer, aqui está o link para download:  http://www.mediafire.com/?oaizlwe2xlc4ve2. Boa audição.

----------

Em cartaz na capital paulista, e breve, em Salvador, In-Edit ~Brasil, o celebrado festival internacional de documentário musical que está em sua quarta edição.

O homenageado internacional deste ano é o diretor e DJ  inglês de origem jamaicana, Don Letts, o cara que produziu Punk: attitude, documentário altamente recomendável por este ser que vos escreve, The punk rock movie e The Clash - Westway to the world, entre outros.

Assisti ao God Bless Ozzy e devo dizer que vale a pena sair de casa para entrar um pouco na intimidade de um dos mais   loucos e talentosos cantor de rock do planeta.

Ontem, fui assistir ao Cure for pain: the Mark Sandman story no cine Livraria Cultura, mas perdi a sessão por não achar mais ingresso para comprar. Detalhe: cheguei quarenta minutos antes. Ou seja, fique esperto para as próximas apresentações.

Destaco: Living in the material world, doc. de Martin Scorcese sobre a vida do beatle George Harrison; Punk: attitude; Ray Davis: imaginary man; The sacred triangle - Bowie, Iggy & Lou 1971-1973; Lira paulistana e a Vanguarda paulista e As canções do exílio: a labareda que lambeu tudo.

Mais detalhes, acesse o site do festival: www.in-edit-brasil.com/2012/.

Assista abaixo o trailer de As canções do Exílio.

Até a próxima.

As canções do exílio.