quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

On The Rocks Recomenda.


Faz um calor dos infernos agora. Meu humor, que não é dos melhores, piora a cada momento. O único alívio é quando abro a geladeira e recebo aquele ar gelado em minha cara passando uma sensação de que está tudo bem.

As coisas só começaram a melhorar mesmo depois que ouvi as novas canções do velhinho rabugento.

Eu tava conversando com meu caro Antônio Manoel sobre o Psychedelic Pill, novo álbum de Neil Young, que ele me disse ter comprado e ficado surpreso com o tempo de Driftin' back, a faixa de abertura. Eu já sabia que esta é quilométrica (são 27 min.) e comentei com ele que tenho o disco baixado mas que não tinha escutado ainda. Daí que ele questionou: "Mas você não indicou lá no blog?". "Sim, mas é que eu não preciso ouvir Neil Young pra poder indicar". Ele riu.

Imagino que Driftin' back ocupe todo o lado A do LP, que é triplo, por sinal.

Voltando a esta grande canção. Quando soube do tempo dela, pensei: "Lá vem o velhinho rabugento enchendo o saco logo no começo". Me enganei, caro leitor. Esta é, disparada, uma das melhores do ano. Poderosa por excelência, Driftin' back não cansa. Os caras não deixam a peteca cair em momento algum. Toda vez que acabo de ouvir o disco, volto  pra mais uma ouvidinha.

É o bom e velho Neil arrasando mais uma vez em companhia dos seus fieis escudeiros: os Crazy Horses.

A gente se vê na lista de melhores do ano.

Até a próxima.

P.S.: Ficou parecendo que em Psychedelic Pill só tem uma música, não foi? Mas não se engane: o disco é ótimo. Vá por mim.

Ah, e esse velhinho nunca enche o saco.
Postar um comentário