terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Não vá, Bowie.



Hoje é o aniversário dele. Tava me lembrando desse texto que escrevi às pressas em setembro do ano passado ao saber de um boato que o camaleão do rock estava nas últimas. "Ainda bem que foi boato", foi o que pensei dias depois. Mas hoje foi lançado o novo single Where are we now? que está no seu novo álbum. Bela e triste, esta me fez ficar pensativo e tenso. E quero muito, muito, estar enganado quanto ao que se passa em minha cabeça neste momento. 

Meu amigo Sérgio "Mr. Onion" Martinez, comentou comigo no Facebook que ele viu semelhanças com o clima de Hurt, nos últimos momentos de Johnny Cash, ao ouvir Where are we now? que postei lá hoje e completou dizendo  que o meu texto veio como uma trovoada. Man, eu desejo, de coração, que estejamos errados.

Eis o texto.

Eu estava na Velvet Discos fazendo a resenha do fim de semana com Andre Fiori, o dono da loja. De repente, entrou um cliente amigo dele dizendo que o estado de saúde de David Bowie é grave. Cheguei nesse instante da rua e a primeira coisa que fiz antes de mijar foi procurar alguma notícia sobre o assunto e li no Estadão que parece que é verdade. Mas também pode ser um boato. Tomara que seja. Pôxa, bateu uma tristeza da zorra! A gente nem conhece o cara, mas só em saber de uma notícia como essa, a melancolia "entra de sola". Aí bateu uma vontade de ouvi-lo, então entrei no Youtube com lágrimas nos olhos e me lembrando da primeira vez que ouvi a obra-prima The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars. 

Coloquei o disco pra tocar e deitei na cama; nos primeiros instantes, levantei-me e fiquei de joelhos. "Não é possível", foi o que pensei. Five years mexeu profundamente comigo. Em seguida, duas pauladas: Soul love e Moonage daydream e minha adolescência estava completa. Já era fã de Dylan, Patti Smith, Lou Reed, Ian Curtis, Marianne Faithfull, Jane Birkin (claro), Tom Waits, Sonic Youth, Jesus and Mary Chain e de um monte de gente foda -- o que tava faltando foi esse cara. A presença dele na minha vida foi pra tapar o buraco que tava faltando. Uma lacuna. Não parei mais de ouvi-lo. Em seguida, comprei Hunky dory, The man who sold the world e tantos outros.

Bowie tem problemas cardíacos e foi exatamente por isso que ele interrompeu uma turnê pela Alemanha em 2004. Bem, eu ia escrever sobre o fim de semana e minhas impressões sobre as pessoas que vivem ao meu redor. O show da Saco de Ratos foi ótimo, pra variar. Queria falar sobre minhas musas e explicar porque não me envolvo com elas. Não se deve se envolver com musas. A gente se envolve com a namorada. Muitos me perguntaram se eu realmente acendo velas para Jack Keroauc e John Fante. Sim, meus amigos, eu acendo velas para esses caras, sempre, toda vez que vou escrever. Só não acendi agora porque essa notícia me pegou de surpresa e quase me derrubou. De joelhos, ao lado da minha cama, encerro esse texto água com açúcar. É que fã é besta mesmo.

Não vá, Bowie. Por favor, por favor, por favor...

Link do video de Where are we now?http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=FOyDTy9DtHQ.

Postar um comentário